O que eu tenho a dizer sobre Hy-Brazil

Quando Marcelo Del Debbio me disse que ia fazer o tal livro fiquei com um pé atrás. Fantasia Medieval no Brasil? Será que dá certo? Mas quando pude colocar as mãos no livro, não hesitei em nenhum momento em comprá-lo.

O livro inteiro é uma grande piada. É como se Monty Pyton tivesse vindo ao Brasil e feito um filme sobre os jogadores de Fantasia Medieval do Brasil. Muito divertido, mas com toques sérios o bastante para você conduzir uma campanha sem cair na esculhambação.

Uma analogia interessante para Hi-Brazil seria que ele esta para o RPG de fantasia medieval assim como o Massacration (MTV, Hermes & Renato) está para o Heavy Metal. É apenas uma grande piada, bem humorada, que nos faz não apenas rir de nós mesmos e de nossos costumes, mas nos ajuda também a refletir sobre certos momentos e fatos de nossa história.

Provavelmente eu jamais use o livro para mestrar, seja lá o que for, justamente por ter muitos outros bons títulos na fila, esperando a vez.

E também porque o tema não me atrai de todo. Mas isso não invalida nenhum dos pontos positivos ou negativos do livro. A minha opinião, neste caso, não passa de uma informação subjetiva, desnecessária ao cerne da discussão. Uma análise do livro nos permite inferir alguns de seus pontos fortes:

– 140 páginas, sendo que a maior parte é usada para descrever o cenário;

– sistema “stand alone”: você não precisa de mais nenhum livro da Daemon para jogar Hi-Brazil;

– preço convidativo: por 26 reais e 10 centavos você não compra nenhum dos livros de Forgotten Realms, Mystara, Darksun, ou mesmo Tormenta, o que faz de Hi-Brazil o cenário medieval mais econômico que existe a disposição no Brasil.

– é um cenário de fácil adaptação e transformação: por ser um cenário baseado também na história recente, você pode modificá-lo à medida que a história real do Brasil avança. Ou seja, existe uma disputa política para saber quem vi ser o novo Burgomestre de São Paolo e sim Serra;

– além de ser divertido, o livro é um convite para o estudo mais a sério das particularidades nacionais;

– tirando talvez uma ou outra descrição menos elogiosa o livro como um todo é coeso, bem escrito e sem pontas soltas.

Mas longe de ser perfeito o livro aponta alguns erros, que poderiam ser consertados em futura edição:

– optou-se por uma impressão “lavada”, no estilo “xerox de qualidade” com o claro intuito de baratear o livro. Entretanto o barato sai caro, pois alguns mapas e ilustrações perdem por demais a qualidade;

– o livro segue o Formato Daemon de livro. Mas é um formato já um pouco batido. Seu design interno não é inovador, embora seja funcional;

– falta um índice remissivo! Talvez a mais imperdoável das falhas do livro. Ás vezes perde-se muito tempo indo e voltando no livro em busca de uma simples informação, como um nome ou referência.

Somando pontos altos e baixos, Hi-Brazil ainda segue com vasta vantagem positiva. Não entendo a raiva que algumas pessoas demonstraram sobre o livro, ou os produtos Daemon em geral, sem demonstrar qualquer argumento que passasse do lugar comum. Em tempo: citar o que eu faço, deixo de fazer, ou a minha instrução não fortalece meus argumentos, muito pelo contrário. Desmerecer a opinião alheia atribuindo adjetivos desfavoráveis para quem gosta ou desgosta do livro também não é uma atitude construtiva nem inteligente.

Dentro dos argumentos que apresentei, se você não tem grana para comprar um RPG grande como Tormenta ou FRCS, Hi-Brazil não é apenas uma boa opção. Ela é uma das melhores.

Hi-Brasil é um livro é um livro que brinca com a nossa capacidade de rir de nós mesmos. O RPG costuma ser visto no Brasil como uma coisa distante, gringa, presa aconceitos que não nos pertencem, uma esquisitice de americanos e franceses. Ou então como um bando de sistemas e livros que de tãp tangíveis e historicamente construidos acaba ficando incompreensível para a maioria dos mortais. A grande preocupação e talvez o maior mérito do Hi-Brasil é trazer esses conceitos para o solo no qual pisamos no dia-a-dia, fazendo uma indagação crítica e ao mesmo tempo bem fantasiosa daquilo que nos é próximo, das formas que nossa cultura particular usa para nos construir como seres humanos, povo e jogadores de rpg.

Hi-Brasil faz uma crítica da forma que nós, brasileiros, nos aproriamos da tradição americana e européia. O livro tem uma visão muito particular. é uma crítica a cerca do que nos faz dignos ou indignos de rolar iniciativa.

Mas Hi-Brasil padece de um crime que apenas Millor descreve: “tudo o que eu digo, acreditem, teria mais solidez, se em ver de carioquinha , eu fosse um velho chinês”.

Hi-Brasil é um livro fantástico. Engraçado e crítico. Tem espaço para ele e para a relíquia que é Desafio dos Bandeirantes. Na verdade, sempre há espaço para mais um.

Se você tem dinheiro sobrando ele também é uma boa opção. Mesmo que jamais usei o livro para nada, ele vai fornecer a você uma crítica loquaz e por vezes ácida de como a nossa amada (salve, salve) pátria se formou. Além de ser um convite para a boa leitura e para o riso fácil. Pading Cicer é uma piada muito legal (eu sou de Juazeiro do Norte e não me ofendi com isso; Por que deveria?).

No entanto, se você é daqueles mais ortodoxos, mantenha distância segura de 30 fts do livro. Não é nada que você vá gostar, não importa que argumentos eu utilize.

Anúncios

4 Comentários (+adicionar seu?)

  1. Nume
    set 30, 2008 @ 18:04:47

    Opa, só um adendo, o Tormenta 3D&T era mais barato que o Hy-Brasil, então a posição de cenário mais econômico é dele :)

    Apesar de que não há um sistema incluso no Tormenta 3D&T, mas se você somar o preço do antigo Manual 3D&T, 14,90, com os 9,90 (acho) que era o Tormenta 3D&T, ainda não ultrapassa 25 reais.

  2. valberto
    set 30, 2008 @ 18:18:53

    Na época que escrevi este artigo fiz uma rápida pesquisa nas principais livrarias on line e o Tormenta já estava esgotado. Não dá para competir com livros esgotados né?

  3. Gilson
    set 30, 2008 @ 20:31:32

    É bom datar os artigos: “publicado em xx/xx/xxxx” ou “republicação”.

    Ótimas matérias!

    Gilson

  4. valberto
    out 01, 2008 @ 00:00:29

    Pois é… de hoje em diante eu vou fazer isso… mas vc acredita que o preço não mudou um dedo de lá para cá?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: