GOG – Goblins!

Goblins – pequenos sobreviventes.

“Está vendo aquele cachorro ali, senhor? Ele é um vira-lata sem dono e sem raça, que chamamos de pé-duro (sem pedigree). Ele é um bicho que fica a nossa volta. Ás vezes é útil, pode ser treinado para fazer um truque ou dois. Mas ás vezes pode fazer uma confusão dos diabos. Você não pode virar as costas para ele e nem tratá-lo como um igual, porque ele é um ser inferior a você. Um cachorro vira-latas e um goblin são basicamente a mesma coisa, mas eu gosto mais de cães vira-latas”. Jarred, comerciante humano.

A vida e a história dos goblins se confundem com a história dos Haravitas. Mas não de uma forma que os goblins pudessem gostar ou apreciar. Tudo se deveu as bases da colonização impostas pelos antigos patriarcas de Igreja Haravita: a monocultura de arroz e trigo (os alimentos sagrados para seu deus), a exploração de pedras preciosas, o extrativismo vegetal e o extrativismo animal. Entretanto o plantio de arroz e de trigo exigia muita mão-de-obra. A solução foi o uso de trabalho escravo, especialmente da raça conhecida como Goblins.

Os goblins habitavam o sul do velho continente desde que o fim da era dos grandes monstros. Não formavam nações, vivendo em tribos dispersas e muitas vezes, inimigas entre si. Os haravitas os capturavam e os revendiam. Em alguns casos, Haravitas davam armas avançadas para alguma tribo goblin esmagar uma tribo rival e ficava com os sobreviventes como pagamento pelas armas. Eram tidos, na melhor das hipóteses, como animais de carga que foram abençoados pelo direito de orar para o deus Haravan e servir a seus filhos.

Os Goblins que habitam o continente vieram com as Naves haravitas, ainda nos primeiros dias da fuga do antigo continente e colonização do novo. Já na terra prometida, eram submetidos a um trabalho escravo mais duro ainda. As classes de goblins não eram iguais. Havia uma certa distinção entre escravos domésticos, e os escravos de lida pesada, estes, submetidos a um trabalho mais árduo, nos campos e minas. Os escravos não formavam um todo homogêneo, cada grupo ainda desdenhando ou se achando superior aos outros. Fora isso, haviam ainda as diferenças culturais, os goblins nortistas, por exemplo, eram rebeldes, e não se misturavam aos companheiros de infortúnio, mantendo-se isolados.

Nessas terríveis condições era apenas uma questão de tempo para que os goblins se rebelassem e fugissem, formando comunidades guerreiras e independentes, afastadas.

Esta, entretanto não é a regra geral. Muitas gerações de escravos nasceram e morreram no cativeiro, vivendo à beira da comunidade humana.

Sua função é sempre a mais degradável possível. Na capital humana muitos deles trabalham limpando o esgoto: descem as galerias munidas de um cesto de vime e uma pá e de lá trazem todos os dejetos que estão entupindo o esgoto. Muitas vezes, com a chuva, o material do cesto transborda, descendo pela face do goblin. Outros serviços relegados a eles são o de coveiros, carregadores de liteira, tratadores de porcos, entre tantos outros.

A idade adulta chega cedo para o goblin padrão. Com 10 anos já se é considerado adulto. As fêmeas vivem em quase igualdade com os machos da espécie, exceto quando estão grávidas, ganhando um status quase divino. Vivem cerca de 50 anos. Todos os goblins se consideram parentes, em algum grau. É comum que apresentem uns aos outros como “tios”, “sobrinhos” e “primos”.

O que a humanidade sequer suspeita é que goblins são sobreviventes natos e que sim, possuem uma cultura toda especial. Suas danças, canto e entalhes em ossos de cachorro são seus símbolos culturais mais vivos. Enormes clãs vivem em comunidades nos limites das cidades humanas, muitas vezes contando com dezenas ou centenas de parentes. Mas é na vida selvagem, longe das comunidades humanas que os goblins realmente deixam sua cultura brilhar: são ladinos e espiões habilidosos.

Personalidade

Sobreviventes estóicos, incapazes de se dar por vencidos.

A vida dura de um goblin dentro do império haravita tende a transformá-lo numa criatura vil, mesquinha, capaz de inventar as maiores mentiras apenas para poder sobreviver. Na vida livre são desconfiados e preferem a companhia dos seus próprios companheiros. Apesar de sua inclinação para a caoticidade alguns poucos podem ser despertados para ideais mais altruístas.

Descrição física

De todos os tamanhos e formas, de grandes olhos amarelos, espreitando na noite.

A grande maioria dos Goblins (60% de sua raça)são humanóides pequenos e esguios, medindo não mais que 1 metro de altura e pesando em média cerca de 20 kg. Os outros goblins são bem ao contrário destes: são de estatura média e corpulenta (1,60m de altura e pesando em torno de 60kg). Ambas as subespécies variam dos tons pele entre amarelo ao vermelho, passando pelo marrom. Suas presas inferiores são salientes e suas orelhas são pontudas e grandes, assim como seus narizes. Seus braços são desproporcionais ao tamanho do corpo, longos e finos, assim como seus dedos. Apesar de poderem caminhar eretos, não é incomum que um goblin use seus longos braços como forma de apoio, principalmente ao correr.

A grande maioria apresenta cabelos normalmente desgrenhados e grandes em cores escuras. Seus olhos possuem coloração negra ou amarela. Suas vestimentas geralmente são de couro, castigados pelas duras condições de vida a que são submetidos.

Tendência

Fugir para evitar a luta, Lutar para fugir.

Diferente de outros povos, tendem a ser caóticos. No entanto sua natureza também tende para a mesquinharia, especialmente quando em terras Haravitas. Assim como os Golias, sua solidariedade com membros da mesma raça muitas vezes encerra facetas que vão contra as leis.

Relações

Odiados por uns, admirados por outros.

Os goblins são respeitados por gnomos e humanos (não haravitas). Entre eles mesmos praticamente não existem diferenças, e todos se consideram irmãos. Todos filhos de Zilon, o deus goblin. Goblins que se encontram ocasionalmente sempre agem como se fossem amigos de longa data.

Os humanos os consideram seres desprezíveis e inferiores, embora muito úteis como escravos e bestas de carga. Os halflings e elfos possuem uma postura neutra em relação a raça, mas preferem não se envolver com eles, pois muitos entre eles não compreendem modo de vida dos Goblins.

Terras

Os goblins urbanos não possuem mais terras próprias. Em vez disso, vivem nas terras humanas. Geralmente formam comunidades muito unidas na orla das cidades humanas, em concentrações de periferia.  Suas moradias são chamadas de tocas e são construídas com qualquer coisa que possam juntar. Quando estão vivendo em meio a terras distantestendem a fazer suas tocas subterrâneas. Aos olhos humanos, são imundas e desorganizadas, repletas de todo tipo de lixo e quinquilharias.

Pacote Racial – 12 pontos.

Habilidades: Carisma –2

Perícias: Intimidação 4 (Goblins de tamanho humano) ou Furtividade (Goblins de tamanho pequeno), Sobrevivência 4.

Feitos: All-Out Attack, Visão Noturna.

Poderes: Crescimento 2 (Contínuo; Permanente; Inato) [goblin maior] ou Encolhimento 4 (Contínuo; Permanente; Inato) [goblins menores], Super-sentidos 1 (Faro), Característica (estomago de ferro) 1.

Estômago de Ferro: Goblins recebem um bônus de +4 para resistir a efeitos e envenenamento, devido a sua dieta, rica em comida estragada.

Anúncios

7 Comentários (+adicionar seu?)

  1. Gilson • RPG • Educação
    fev 05, 2010 @ 19:18:47

    Valberto, você fala que o M&M substitui muito bem Gurps no quesito de universalidade, de poder jogar qualquer assunto. Mas na questão da letalidade, é possível manter também ou colocar NPCs com menor NP deixa tudo com ar heróico/fantasioso?

    Abs!

    Gilson

  2. valberto
    fev 05, 2010 @ 23:26:21

    A letalidade é bem alta, se vc quiser. Perosnagens de NPs baixos morrem com grande facilidade…
    O ar fantástico depende do que vc quer. Um policial tem NP 4 e um reporter televisivo NP 2, por exemplo. Já o Wolverine deve ter algo como NP 10-12 e o Goku 15 ou mais.

  3. O Goblin
    fev 07, 2010 @ 12:27:35

    Estomago de Ferro é uma qualidade que eu sempre vi em todos os goblins, afinal nem todos podem ter alimentação tão farta e variada e ainda sim não sofrer com dores de estomago. Como dito no texto goblins são tratados como cachorros e cachorros comem de tudo, já os goblins comem até os cachorros.

    Curti a descrição do Goblin do GOG. Tamanha “desconsideração” por parte das pessoas, vai com certeza gerar uma guerra globinoide em breve. Levantem-se irmãoes goblins, todos a luta.

  4. Arquimago
    fev 10, 2010 @ 13:55:35

    Bem legal, gostei das características, mas fiquei curioso sobre os goblins “grandes” ou de tamanha humano…

  5. Gilson • RPG • Educação
    fev 10, 2010 @ 18:24:24

    E se um grupo quiser mais “realidade” com relação ao dano (recuperação), o que você propõe nesta relação Gurps/M&M?

    Abs!

    Gilson

  6. valberto
    fev 11, 2010 @ 06:00:43

    O que eu proponho? que deixem a realidade deste lado do jogo de rpg. heheheh. Desculpe, realidade real demais é algo que passa longe das minhas mesas. Mas se vc quiser alguma coisa mais real, mais perdo do “o golpe dele decepou o dedo médio da sua mão esquerda, mais ou menos no primeiro terço da segunda falange” eu aconselho que vc vasculher o Manual do Malfeitor. O livro ajuda com um porrilhão de regras alternativas.
    Outra opção, bem mais econômica, mas acredito eu, pouco viável em jogo, seria usar o bom senso ultra-real. Um amigo meu levou um tiro de pistola no abdômen alguns anos atras. Foram mais de 4 meses de hospital. Um tiro e seu PC ou morre ou fica fora do jogo 3 meses ou mais. Barra hein?

  7. Gilson • RPG • Educação
    fev 12, 2010 @ 15:36:44

    É verdade, e vai do gosto de cada grupo. O que mais encrenco é com a recuperação dos danos, mas eu sempre me apoio no bom senso mesmo. Aí ser ultra real fica a gosto.

    Mais uma vez, valeu!

    Gilson

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: