The Trashmaster

Meu pai sempre me ensinou a respeitar todas as pessoas, mas especialmente os lixeiros. Ele dizia que médicos e advogados eram importantes, mas se os lixeiros parassem de trabalhar, em poucos dias estaríamos afogados numa infinita montanha de lixo. Os caras trabalham limpando a merda que você faz. Como não respeitar pessoas assim?

Esta frase é a premissa para um dos mais audaciosos projetos de cinema e novas tecnologias que eu já vi. Praticamente um ato de amor do cineasta francês Mattieu Weschler, que gastou dois anos de sua vida criando o longa metragem “the trashmaster”, sobre um funcionário da limpeza pública de Nova York que nas suas horas vagas limpa as ruas da cidade da escória humana.

O filme é bem realizado, com um roteiro plausível, com bons cortes de imagem. As cenas iniciais são de longe as melhores do filme com tomadas aéreas contrastando com tomadas de solo.

O filme deixa claro os limites de um jogo como GTA. Não existem cenas de beijo e sente-se falta de mais opções para o movimento dos personagens. Entretanto o potencial do filme é incrível.

Que potencial? O fato de não se precisar mais de astros de cinema para fazer um filme. Precisamos de dubladores, mas não de atores. Um pacote de film-maker que tenha os elementos deste filme pode ser o começo para uma nova era digital de filmes, com um custo significativamente menor.

Sei que já existem fan filmes assim na internet, mas um longa metragem assim, eu nunca vi.

O filme pode ser assistido no link aqui.