Thundercats ho!

Os novos Thundercats

Sempre fui fã de desenhos animados. Eles tinham o fantástico dom de atiçar a minha imaginação e por em brasa as minhas idéias. E sendo uma pessoa que cresceu em meio a efervescência cultural pop que foi os anos oitenta, tenho alguns ícones que são de dar inveja a esta nova geração: Guerra nas Estrelas, Indiana Jones, Transformers G1, Voltron, Robotech, Monkey Punch, Caverna do Dragão, Silver Hawks, Galaxy Rangers e tantos outros. Mas nenhum foi tão especial e tão charmoso quanto os Invencíveis Gatos do Trovão.

Munido de uma estética impressionante, grandiosa e uma animação extremamente fluída (para os padrões da época) Thundercats apresentava o sonho de qualquer menino-aventureiro: espada, magia, super tecnologia, artes marciais num elegante pacote. Algumas daquelas aventuras e partes do próprio enredo mudaram a minha personalidade para sempre. Como não ficar fascinado pelo código de Thundera? Como não vibrar com as conquistas do thundercats frente aos impossíveis desafios que se abatiam sobre eles?

Algumas coisas, no entanto, sempre me incomodaram. O fato de terem vários autores colocava o desenho a se contradizer de tempos em tempos. Qual não foi meu choque a descobrir que existe um planeta de Snarfs e outro, chamado Nova Thundera cheio de sobreviventes do planeta original?

Então, depois de mais de dez anos de enrolação surge o novo Thundercts. Seus trailers no Cartoon Network USA eram os mais aguardados. Víamos rstos familiares e buscávamos em suas novas aparências explicações: seria a mesma coisa, não seria, estragarim tudo?

O problema dos remakes é que normalmente estragam tudo. Colocam fora de perspectiva ou adicionam elementos que desandam a coisa toda. Com Thundercats isso não aconteceu.

A partir daqui vou colocar alguns spoilers: se você não quer saber até ler, pare por aqui.

Ex-servos de Mun-ra

O desenho é cheio de homenagens. Já no primeiro episódio vemos os restos de mão de berbil (aqueles ursinhos metálicos e peludos que construíram a Toca dos Gatos no desenho clássico). Também vemos passagens de outros desenhos da mesma produtora – numa das cenas vemos o Monstro Estelar (Star Munsta) de Silver Hawks. Tudo muito discreto e sem forçação de barra.

O desenho agora mostra os thundercats como “reis” do terceiro mundo. Governam cm garras de ferro os outros povos-animais. Sua tecnologia recrudesceu imensamente: não possuem luz elétrica, armas de raio ou naves: estão mais para guerreiros medievais, pré-renascentistas. A Thundera de cima se parece demais com a Itália renascentista. São o povo mais odiado do planeta.

Os Thundercats são ex-servos de Mun-ra. Pelo que deu para entender no episódio 7:  Legacy (Legado) Mun-ra era uma espécie de super conquistador galático, varrendo o universo em busca das pedras guerreiras (War Stones). Todas as raças animais agiam como seus escravos. Ele chega a comentar com Leo (antepassado de Lion-o): “Cada espécie tem seu lugar, Leo, alguns com um destino maior que os outros… mas a sua espécie tem se revelado a mais astuta e implacável. Vocês inspiram medo nos outros animais. Eles odeiam vocês tanto quanto me odeiam. Se eu suspeitasse de uma rebelião, os gatos seriam os primeiros a morrer”.

Mun-ra tem um plano simples: ele forjou a espada de Plundarr  e colocou uma das pedras guerreiras lá. As outras duas ele colocou na sua garra-guarda. A última Lion-o usou para cria a espada justiceira de Omens. Com a ajuda da espada de uma bem orquestrada rebelião, Lion-o toma as pedras de Mun-ra e sua grande nave (uma pirâmide) cai no planeta chamado terceiro mundo. De lá, os sobreviventes da queda se espalham pelo mundo, mas sem a tecnologia. Nesta cena chegamos a entender como Phantro conseguiu um Thundertank – quando Grune o traiu para se aliar a Mun-ra ele caiu nos fundos da nave. Com certeza lá conseguiu a nave.

Mas esta explicação para lá de bacana não é o grande atrativo do desenho. O seu roteiro está muito mais maduro e interessante. O ponto mais alto até agora é o episódio 4: a canção dos Petalars. É muito emocionante.

Thundercats é um cenário de RPG pronto para ser jogado. Coloque suas raças na mesa e vc vai estar pronto para jogar. Eu aconselho para esta adaptação o Mighty Blade II.

Boa tarde a todos.

3 Comentários (+adicionar seu?)

  1. Rubens Mateus Padoveze
    set 21, 2011 @ 10:52:06

    Mighty Blade II? Mas sai isso?!

    Cara ainda não estou acompanhando o desenho, mas espero que chegue logo aqui no Brasi!

  2. Victor
    set 25, 2011 @ 15:28:03

    Fiquei interessado.

  3. Igor "Carcará"
    set 26, 2011 @ 15:09:48

    Você tem razão no que diz sobre remakes. Eu gostei de poucos… Viagem Maldita (remake do filme de 77 do Quadrilha de Sádicos, o “The Hills Have Eyes”), gostei do Casa de Cera (já é o segundo remake do “Crimes of The Museum” de 33, o primeiro remake é de 1950 e pouco, não lembro agora), e lembro de ter gostado do remake do He-Man, tem a mesma pegada do Thundercats, embora o Thunder parece ser mais interessante.

    Um aspecto que é legal e sempre foi citado na série dos anos 80 era que o Lion é um líder inexperiente, e não me lembro de isso ser explorado na época, e pelo que eu li até agora, esse é um tema bem presente no desenho atual. Tem também uma certa rivalidade que parece divertida entre Tygra e Lion, é isso mesmo?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: