Conversando sobre Skyrim

Faz uns meses que eu converso com um camarada pelo chat do gmail sobre skyrim. São sempre conversas rápidas do tipo “ontem descobri tal coisa” e “você já tentou forjar daedric?” e coisas do gênero. Esse meu camarada não joga RPG de mesa – que agora sendo chamado pela mídia especializada de RPG offline (que ironia).

De umas semanas para cá nosso papo tem se voltado mais para o RPG offline – embora eu saiba que dentro dos gêneros de videogame, Skyrim está mais para Adventure com características de RPG do que para RPG mesmo. Eu o convenci a procurar um grupo de jogo e experimentar. E assim ele fez. Encontrou um grupo de D&D na sua região e jogou duas partidas. Ele detestou.

Não o jogo em si. Ele gostou da interação da mesa, fez novas amizades e conheceu coisas nerds que ele nem supunha que existissem. Mas ele não gostou da limitação das regras. Ele me disse que quase caiu para trás quando ouviu as explicações para a magia vanciana (prepara por dia, solta e esquece), que magos não poderiam usar armaduras e que havia classes de personagem, cada uma praticamente com um sistema próprio. Ele me reclamou disso por intermináveis nove minutos de conversa (nunca tínhamos nos falado por tanto tempo antes).

Eu comentei com ele que existem outros sistemas que ele poderia experimentar. Alguns mais engessados como D&D que funcionam dentro de premissas muito específicas (e mesmo assim ainda muito divertido) e outros muito mais soltos como Shotgun Diaries (igualmente muito divertido). Mas ele queria algo mais como ele estava acostumado. Porcentagens, combate medieval, raças fantásticas… daí eu sugeri que ele desse uma olhada no sistema daemon, da editora de mesmo nome. Expliquei que pela minha experiência em jogos, daemon é o mais próximo da meta-mecânica de Skyrim que existe: um mago pode usar armadura, soltar magia de cura enquanto tiver mana o bastante para tal e que não haviam classes, mas sim kits (espécie de pacote pronto de personagem) que são opcionais.

Esse nosso papo me fez repensar algumas das minhas escolhas como mestre e jogador ao longo destes anos. Sendo por sistema, seja por escolhas mecânicas e de meta-jogo. É bom quando esse tipo de coisa acontece e nos faz repensar mais sobre o nosso modo de ser e de agir. Não apenas sobre o jogo, mas por outros aspectos da nossa existência terrestre (hmm, esse soou filosófico…)

Estou aguardando o nosso próximo encontro para saber se ele achou algum grupo de daemon (acho difícil, já que o sistema anda meio abandonado e sem lançamentos). E quem sabe eu não me anime a finalmente colocar algumas notas de jogo no formato daemon e ver como elas se saem.

Até a próxima.

5 Comentários (+adicionar seu?)

  1. Lucas Leonardo Vieira Belo
    fev 21, 2013 @ 12:07:17

    Runequest seria uma escolha melhor, na verdade.

  2. rsemente
    fev 21, 2013 @ 12:52:00

    Daemon realmente é um sistema com uma base muito boa, possui algumas limitações e desequilíbrios mas um bom mestre ou uma nova versão para melhorar alguns tornam o sistema muito bom. Além de ser muito simples, com um dos melhores sistemas de magias (simples e com grande liberdade para criar novas magias até no meio do jogo). Joguei uma campanha muito legal, com dois personagens memoráveis com o Fernando Fenrir (dos Cavaleiros das Noites Insones) como mestre no mundo de tormenta como geopolitica e um plot totalmente novo e épico.

  3. Júlio Chiquetto
    fev 21, 2013 @ 12:59:32

    Fala Betão!!! Eu sempre imaginei que esses sistemas mais “livres” do tipo do Skyrim são assim porque a pessoa joga sozinha, então é adequado que o mesmo personagem desempenhe todas as funções. Ao contrário de um WoW, por exemplo, onde se joga em conjunto e cada um tem a sua função, que é ainda mais engessado do que o D&D (afinal, no D&D eu posso ser um multiclasse, ou escolher classes de prestígio com coisas bem diferentes, etc). Mas que ironia esse termo RPG “offline”…RPG de mesa é o verdadeiro RPG! Um jogo de computador nunca vai transmitir a mesma sensação e apresentar as mesmas possibilidades infinitas de interação, interpretação e cursos de ação que um RPG apresenta.
    Abraço

  4. valberto
    fev 21, 2013 @ 23:03:41

    Oi Lucas, poderia me dizer por que e onde posso conseguir uma versão em português?

  5. Nappa_
    nov 04, 2013 @ 15:08:09

    No caso do seu amigo ainda foi uma sorte ele não ter gostado apenas do sistema, as vezes os veteranos sugerem aos novatos conhecerem RPG de mesa, mas eles acabam tendo experiências com mestres ruins e abandonando qualquer chance de seguir esse caminho e divulgando propaganda negativa a respeito.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: