Clássicos nunca morrem, apenas se reciclam (Grimtooth’s Traps)

Hoje enquanto limpava a minha estante encontrei alguns livros bem clássicos. Bom, “encontrei” é um termo bem forte uma vez que eles nunca estiveram perdidos. Eles sempre estiveram ali, no alcance dos meus longos braços, sempre à vista. Aliás, ainda estão. Fazem parte da decoração da minha estante. Ou melhor, fazem parte da minha vida como jogador e mestre de RPG.
Quero falar do Grimtooth’s Traps. Escrito por Paul Ryan O’Connor, em 1982, ele é feito para RPGs de qualquer sistema e traz as 101 mais mortais armadilhas que eu já vi. Nenhum livro de armadilhas chega nem perto do nível de crueldade, maldade e imaginação que este livro apresenta. Ele é responsável por algumas das mortes mais traumáticas que já ocorreram nas minhas mesas e motivo para que jogadores que me conhecem a muito tempo saibam que uma sala vazia pode ser muita coisa, menos uma sala vazia.
O mais interessante ao ler o livro nos dias de hoje é de ver como os autores antigamente eram muito mais inventivos e divertidos que os de hoje em dia. Sério! Não dá para ler o livro sem se deparar com tiradas irônicas e divertidas, mesmo sabendo que o objetivo da publicação é dar cabo, trucidar, matar, destruir e humilhar os personagens dos jogadores. E isso tudo sem derramar uma única linha sobre testes, sistemas e rolamento de dados. Se bem que a maioria das armadilhas nem precisa de muita coisa. São o que eu chamo de hit-kill (pegou-matou).
Descobri que o livro foi atualizado pela Flying Buffalo Inc.Eu realmente gostaria de ver como ficou.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: