Os três mosqueteiros D&D 5a. Edição

 Os três mosqueteiros.

Existe um livro que eu guardo com muito cuidado. É uma edição integral de “os três mosqueteiros”. Deve ser o romance de aventura mais incrível que eu já pus os olhos. Durante toda a minha vida as aventuras de Athos, Portus, Aramis e D’Artagnan povoaram meus sonhos e seus exemplos muitas vezes ajudaram a decidir minhas ações.

A primeira vez que tomei contato com eles foi com o desenho Dartacão e os três mosqueteiros. Mais tarde, na sessão da tarde encantei-me com a leveza de gene Kelly como o mais ágil de todos os que viveram D’Artagnan. Depois tive contato com um desenho da Hanna Barbera. Teve até um anime meio sem graça. Em 1994 a Disney trouxe a sua versão e eu adorei Sutherland como Athos.

Apenas mesmo uma coisa como os três mosqueteiros para trazer este blog de volta à vida. Numa das discussões de um grupo do facebook sobre D&D eu me deparei sobre como criar um mosqueteiro. Não apenas um, mas todos os quatro lendários.

Hoje eu começo tratando o “kit dos mosqueteiros” que eu criei.

Classe: guerreiro

Background: qualquer um.

Raça: Humano (variante)

Estilo de luta: Duelista

Talento de 1º nível: variante para cada mosqueteiro, como veremos a seguir.

Exemplo de mosqueteiro: Jean Pierre, (Guerreiro 1, Leal e Neutro). Iniciativa: +3, PV 11, CA 15 (cota de malha), Deslocamento 40, Proficiência +2. For 8 (-1) Des 16 (+3) Cons 13 (+1) Int 12 (+1) Sab 11 (+0) Car 14 (+2). Estilo de combate Duelista (+2 quando está usando uma arma de uma mão só).

Perícias: Acrobacia +5, Furtividade +5, Enganação +4, Persuasão +4.

Talentos: Mobilidade (ganha +10 de deslocamento), ignorando terrenos difíceis e após atacar um alvo não provoca ataques de oportunidade dele pelo resto do turno, tendo acertado ou não.

 Ataques:

Rapieira (+5, 1d8+5, corte)

Besta leve (+5, 1d8+3, perfuração)

Jean Pierre nasceu pobre e enveredou-se pela vida do crime. Mas com certa idade e depois de perder um grande amigo num roubo mal-sucedido ele procurou redimir-se. Embora fosse fraco, sua agilidade conseguiu leva-lo até a guarnição dos mosqueteiros, onde é tido como um prodígio na luta com a espada. Ele busca vingança costra Guscard, um antigo colega da vida pregressa, que ele julga ser o responsável pela morte do seu amigo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: